O escritório Metrópole Arquitetos e a arquiteta Marta Bogéa assinam em coautoria a expografia de Adornos do Brasil Indígena: Resistências Contemporâneas, com curadoria do Museu de Arqueologia e Etnologia da USP e de Moacir dos Anjos, em cartaz até janeiro de 2017 no Sesc Pinheiros.

O desafio proposto pelo SESC foi colocar em diálogo o acervo etnológico do MAE com artefatos e documentos e obras de arte contemporâneas. O projeto propôs a construção de uma topografia acidentada, uma montanha, com ranhuras em tons de cinza, onde as vitrines com os adereços indígenas foram incrustradas como pedras. As paredes brancas que dão suporte às obras de arte se destacam sobrepostas à superfície cinza. A expografia procurou evidenciar a distinção de entre os suportes, criando a clareza de leitura do projeto curatorial para o público.

Por Marta Bogéa e Anna Helena Villela

Reconhecer um centro em comum configurado por uma única sala foi o gesto inicial que constitui a premissa fundamental do projeto expográfico. No desenvolvimento do projeto a linha continua, perímetro da sala, vibra através de avanços e recuos de modo a assegurar que nem a arte nem o acervo fosse a todo tempo o mais próximo desse centro ou, em outros termos, fosse o de primeira visibilidade. Com essa vibração o prisma regrado ganha outras profundidades alternando o protagonismo dos dois conjuntos a partir da visão central. O segundo gesto estruturante a delinear essa paisagem é sua estratificação cromática que configura em linhas verticais os painéis. Iniciada na necessidade de reconhecer a posição relativa do acervo indígena em relação ao corpo, avança para uma compreensão de extratos e se amplia também como estratégia para o gráfico. Campo cromático que ecoa os cortes geológicos de prova em terreno e suas profundidades e densidades distintas em camadas. Nessa paisagem reconhecer a origem de cada peça em relação as duas coleções é fundamental, painéis brancos acoplados ao extrato recebe obras de arte contemporânea e os diferentes extratos em cinza recebem acervo indígena. Do centro da sala em aproximações e distâncias variadas se pode vislumbrar o conjunto, sem hierarquias óbvias ensaiando vizinhanças e contato.

Ficha
Localização: São Paulo
Área: 600m²
Ano do projeto: 2016
Arquitetura: Marta Bogéa e Metrópole Arquitetos
Equipe: Anna Helena Villela, Marta Bogéa, Liz Arakaki
Iluminação: Design da Luz Estúdio / Fernanda Carvalho
Projeto Gráfico: estúdio campo
Execução do Projeto Expográfico: maxxi stands
Fotografias: Metrópole Arquitetos
11 3259 7405
http://www.metropole.arq.br

Serviço:
Adornos do Brasil Indígena: Resistências Contemporâneas
até janeiro de 2017
www.sescsp.org.br/unidades/10_PINHEIROS